Complexo Termelétrico Jorge Lacerda

Fonte: Global Energy Monitor

[English][español]

Esta página faz parte do Portal Energético para a América Latina de Global Energy Monitor.
Páginas relacionadas:

O Complexo Termelétrico Jorge Lacerda é uma usina a carvão de 857 megawatt (MW) em Capivari de Baixo, Santa Catarina, Brasil.[1]

Localização

A foto de satélite abaixo mostra o complexo termelétrico em Capivari de Baixo, Santa Catarina, Brasil.

Loading map...

Histórico

A usina Jorge Lacerda foi originalmente desenvolvida pelo governo federal do Brasil na década de 1960. O complexo de 857 megawatts compreende três usinas distintas com um total de sete unidades, todas movidas a carvão extraído no estado de Santa Catarina. A usina mais antiga, Jorge Lacerda A, consiste em duas unidades de 50 MW e duas unidades de 66 MW. Jorge Lacerda B possui duas unidades de 131 MW e Jorge Lacerda C possui uma única unidade de 363 MW.[2]

Video: Impactos do desenvolvimento do carvão no sul do Brasil (em português com legendas em inglês) (Fonte: Arayara)

Impactos ambientais e sociais

O grupo ambientalista Arayara documentou exaustivamente vários impactos sociais, de saúde e ambientais causados pela usina Jorge Lacerda, incluindo a contaminação e o esgotamento dos recursos de água locais e danos ao solo, plantas, gado e vida selvagem relacionados à emissão de gases tóxicos e metais pesados como chumbo, cádmio, cromo e mercúrio.[3]

Extensão de subsídios até 2040

A usina Jorge Lacerda se beneficia de subsídios do governo brasileiro que permitem à usina vender sua energia a preços acima do mercado. Em janeiro de 2022, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro assinou a Lei 14.299, que estendeu esses subsídios da data de validade original de 2027 para 2040.[4][5] A nova lei também pedia o estabelecimento de um programa de Transição Energética Justa (TEJ) para as regiões produtoras de carvão do sul do Brasil, a ser elaborado até janeiro de 2023 por representantes do governo federal do Brasil, do governo do estado de Santa Catarina e da indústria privada.[6] Em abril de 2022, o governo federal ainda não havia dado nenhum passo significativo para o desenvolvimento do programa, levantando preocupações entre a indústria e os ambientalistas.[7]

Venda proposta e possível desativação

Em 2018, a Engie organizou a venda da usina para a empresa inglesa ContourGlobal, mas acabou desistindo do acordo, acreditando que a planta estava subvalorizada.[8] A Engie anunciou em um comunicado de imprensa de julho de 2019 que os esforços para vender a planta estavam em andamento,[9] e em setembro de 2019 confirmou novamente que estava buscando compradores para a usina como parte de seu plano de descarbonizar seu portfólio de energia.[10]

Em uma teleconferência de fevereiro de 2020 com investidores, o executivo da Engie, Rafael Bósio, informou que a empresa registraria a planta de Jorge Lacerda no leilão de energia do Brasil em 30 de abril, buscando um contrato de 15 anos com o governo brasileiro para aprimorar o apelo da planta a potenciais compradores.[11] No entanto, o leilão de abril foi cancelado indefinidamente devido à crise de saúde do Covid-19.[12]

Em dezembro de 2020, a Engie anunciou que deixaria de operar a Central Jorge Lacerda de acordo com o compromisso da empresa de descarbonizar o seu portfólio energético.[13] A Engie está estudando três cenários de desinvestimento:

  • venda direta da usina para uma empresa privada
  • venda da usina para uma entidade do governo brasileiro, ou venda para uma empresa privada com o apoio do governo brasileiro
  • desativação escalonada da usina[14]

No último cenário, as unidades 1 a 4 seriam desativadas entre 2021 e 2023, enquanto as três unidades restantes seriam retiradas em dezembro de 2025.[15][16]

Em meados de 2021, Engie ainda estava em processo de venda da planta.[17] Em fevereiro de 2021, a empresa assinou um acordo de exclusividade de 120 dias com o potencial comprador FRAM Capital[18], e em junho de 2021 o acordo foi prorrogado por mais 120 dias para permitir que a FRAM Capital continue seu processo de due diligence.[19]

Em outubro de 2021, foi finalizada a venda da usina para o capital da FRAM, com Diamante Geração de Energia atuando como operadora.[20][21][22]

Detalhes do Projeto

  • Patrocinador: Diamante Geração de Energia[21][22]
  • Empresa-mãe: FRAM Capital[21][22]
  • Localização: Capivari de Baixo, Santa Catarina, Brasil
  • Coordenadas: -28.454, -48.969 (exact)
  • Estado: Operativo
  • Capacidade Bruta: 857 MW
    • Unidades 1 e 2: 2 x 50 MW[2]
    • Unidades 3 e 4: 2 x 66 MW[2]
    • Unidades 5 e 6: 2 x 131 MW[2]
    • Unidade 7: 363 MW[2]
  • Tipo: Subcrítico
  • Data de inauguração:
    • Unidade 1: 1965
    • Unidade 2: 1967
    • Unidade 3: 1974
    • Unidade 4: 1973
    • Unidade 5: 1979
    • Unidade 6: 1980
    • Unidade 7: 1997[1]
  • Tipo de carvão: Betuminoso
  • Fonte de carvão:
  • Fonte de financiamento:

Referências

  1. 1.0 1.1 Jorge Lacerda Thermal Power Plant Brazil, Global Energy Observatory, accessed November 2019
  2. 2.0 2.1 2.2 2.3 2.4 "Jorge Lacerda Thermoelectric Complex". ENGIE Brasil. Retrieved 2020-12-28.
  3. "O Legado Tóxico da Engie, Diamante e Fram Capital no Brasil" (PDF). Arayara. October 2021.
  4. "Brazil extends controversial coal power subsidy | Argus Media". Argus Media. January 6, 2022.
  5. "Apoio ao carvão: o Brasil na contramão da História". Fundação Perseu Abramo. January 7, 2022.
  6. "LEI Nº 14.299, DE 5 DE JANEIRO DE 2022". Diário Oficial da União. January 5, 2022.
  7. "Governo não tem data para criar grupo de transição do carvão". Poder360. April 11, 2022.
  8. Latin America: Engie cancels sale to ContourGlobal over price dispute, Inframation Group, Apr. 13, 2018
  9. "Pampa Sul Thermoelectric Power Plant begins commercial operations - ENGIE Brasil". ENGIE Brasil press release. July 9, 2019.
  10. Além da eletricidade, Istoe Dinheiro, Sep. 30, 2019
  11. "Engie aponta contratempos em processo para vender termelétricas a carvão no Brasil". Negócios/Reuters. February 19, 2020.
  12. Sánchez Molina, Pilar (April 1, 2020). "Brazil postpones energy auctions". PV magazine.
  13. "Engie vai deixar de operar termoelétrica a carvão em Santa Catarina - Economia". Estadão. December 16, 2020.
  14. "Engie vai deixar de operar termoelétrica a carvão em Santa Catarina". Terra. December 16, 2020.
  15. "Reunião com ministro de Minas e Energia vai discutir futuro do Complexo Termoelétrico Jorge Lacerda". Engeplus. December 7, 2020.
  16. "Engie admite que pode fechar complexo Jorge Lacerda". Canal Energia. December 11, 2020.
  17. "Engie resumes sale of 345-MW coal-fired plant in Brazil". Renewablesnow.com. Retrieved 2021-06-14.
  18. "ENGIE Signs Exclusivity Agreement For Sale Of Jorge Lacerda Thermoelectric Complex". ENGIE Brasil. February 26, 2021.
  19. "Fato Relevante - Engie Brasil Energia S.A". Terra. June 15, 2021.
  20. "Nova gestão do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda projeta expansão e transição energética". Governo de Santa Catarina. October 27, 2021. Retrieved November 19, 2021.
  21. 21.0 21.1 21.2 "Engie conclui a venda do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda à Fram Capital". Money Times (in português). 2021-10-18. Retrieved 2021-11-19.
  22. 22.0 22.1 22.2 "ENGIE conclui venda do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda para a FRAM Capital". Engie. 2021-10-18.