FSRU da Cosan

Fonte: Global Energy Monitor
(Redirecionado de Terminal de GNL da Cosan)

[English] • [español]

Esta página faz parte do Portal Energético para a América Latina de Global Energy Monitor.
Páginas relacionadas:

A FSRU da Cosan, também conhecido como Terminal de Regaseificação de São Paulo (TRSP), é um terminal de GNL em construção no estado de São Paulo, Brasil.

Localização

O terminal proposto será uma unidade flutuante de armazenamento e regaseificação (FSRU) a ser ancorada no Lago do Caneú, próximo à Ilha dos Bagres, na cidade de Santos, estado de São Paulo, Brasil.[1]

Loading map...

Detalhes do projeto

  • Operadora do Terminal: Terminal de Regaseificação de São Paulo, SA (TRSP SA)[2]
  • Proprietária do Terminal: Compass Gás & Energia (Grupo Cosan)[2][3]
  • Empresa-mãe do Terminal: Compass Gás & Energia (Grupo Cosan)
  • Nome da FSRU: Höegh Gannet[3]
  • Proprietária da FSRU: Höegh LNG[3]
  • Localização: Santos, estado de São Paulo, Brasil
  • Coordenadas: -23,911938, -46,342196 (aproximado)
  • Capacidade: 14 MMcmd (bilhões de metros cúbicos por dia)[4]
  • Situação: Em construção[5]
  • Tipo: Importação
  • Ano de início: 2023[6][7]
  • Financiamento:

Histórico

O terminal de GNL da Cosan abrangerá uma FSRU (unidade flutuante de abastecimento e regaseificação) de 14 MMcmd conectado a um terminal fixo em uma configuração navio a navio, próximo à cidade de Santos, Brasil. A conexão do terminal à principal rede de distribuição da Comgás, em Cubatão, será feita através de um gasoduto de 8,5 quilômetros, permitindo a diversificação do abastecimento de gás na região.[4][8]

O desenvolvimento do projeto é responsabilidade do Grupo Cosan, controlador da maior distribuidora de gás do Brasil, a Comgás, de São Paulo.[4][8] A Comgás foi originalmente listada como proprietária do projeto, mas para evitar conflitos regulatórios o controle foi posteriormente entregue à Terminal de Regaseificação de São Paulo, SA, uma subsidiária separada do Grupo Cosan.[2]

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo aprovou o projeto em abril de 2019[1] e o terminal recebeu sua licença prévia em maio de 2019 da CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).[2]

A construção do terminal começou em agosto de 2021.[3][5] Em dezembro de 2021, a Höegh LNG Holdings assinou um contrato de 10 anos para atracar seu Höegh Gannet FSRU no terminal.[3]

Em maio de 2022, o CEO da Cosan, Luís Henrique Guimarães, confirmou que o projeto estava no caminho certo para entrar em operação comercial no primeiro semestre de 2023.[6]

Oposição

Os ambientalistas alertaram sobre vários perigos potenciais representados pelo novo terminal, incluindo explosões e incêndios, além de danos aos manguezais e à vida marinha local.[9]

Artigos e recursos

Referências

  1. 1.0 1.1 "Aprovado EIA-Rima para terminal de GNL da Comgás". Abegás. May 2, 2019.
  2. 2.0 2.1 2.2 2.3 "Terminais de GNL no Brasil (pp 25-26)" (PDF). EPE (Empresa de Pesquisa Energética). October 2020.
  3. 3.0 3.1 3.2 3.3 3.4 "Höegh LNG charters FSRU to Compass' Brazilian LNG terminal". Offshore Energy. December 28, 2021.
  4. 4.0 4.1 4.2 "Terminais de Regaseificação de GNL no Brasil: Panorama dos Principais Projetos (pp 21-23)" (PDF). EPE (Empresa de Pesquisa Energética). August 30, 2019.
  5. 5.0 5.1 "Compass inicia construção do Terminal de Regaseificação de São Paulo". Canal Energia. August 4, 2021.
  6. 6.0 6.1 "Crise dos preços do GNL não prejudica terminal de São Paulo, diz Cosan". Agência epbr. May 16, 2022.
  7. "Novos supridores de gás já têm mais de 10 milhões de m³/dia contratados". EPBR. May 31, 2022.
  8. 8.0 8.1 "Brazil prepares for a new phase of investments in LNG terminals". LNG Latin America & the Caribbean. Retrieved 2021-04-24.
  9. "Governo de SP aprova terminal da Comgás com potencial explosivo". Rede Brasil Atual. September 4, 2019.