Perfil energético – Colômbia

Fonte: Global Energy Monitor

[English][español]

Esta página faz parte do Portal Energético para a América Latina de Global Energy Monitor.
Páginas relacionadas:

Matriz de combustível (combustíveis fósseis versus renováveis)

A partir de 2020, os principais componentes da matriz energética da Colômbia eram o petróleo (38%), o gás natural (25%), o carvão (13%) e a energia hidrelétrica (12%).[1]

A energia hidrelétrica desempenha um papel especialmente importante no setor elétrico, respondendo por mais de dois terços da capacidade instalada e da geração de eletricidade da Colômbia.[1][2] Os combustíveis fósseis atendem à grande maioria das necessidades de eletricidade restantes, complementados por quantidades menores de energia renovável.[1]

Na próxima década, a Colômbia planeja expandir sua ênfase em energias renováveis, aumentando a capacidade instalada de outras fontes renováveis de 2% em 2018 para 21% em 2030, com o maior crescimento em energia eólica em terra.[3] A ANLA, a agência de licenciamento ambiental da Colômbia, aprovou a primeira licença para um grande parque eólico em 2018.[4] Simultaneamente, a Colômbia prevê um crescimento no setor de carvão para 2,4 GW de capacidade instalada até 2030.[3]

Emissões anuais de dióxido de carbono (CO₂) de diferentes tipos de combustível em 2019, medidas em toneladas. Fonte: Our World in Data

Metas de emissões de gases de efeito estufa

Em dezembro de 2020, o presidente Duque atualizou a NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada) colombiana para refletir uma redução de 51% nas emissões de gases de efeito estufa (em comparação com sua promessa original de redução).[5] A Colômbia precisará adotar políticas para acelerar a transição do carvão e do fraturamento hidráulico, bem como prevenir o desmatamento, que responde por 16,68% das emissões totais do país com o intuito de atingir suas metas de emissões de gases de efeito estufa até 2030.[6] A longo prazo, a Colômbia pretende atingir zero emissões em 2050.[6]

Agências governamentais de energia e outros players principais

Ministério nacional de energia

O MME (Ministerio de Minas y Energía), formado em 1974, supervisiona a indústria de mineração, a indústria mineral e o setor elétrico da Colômbia. A UPME (Unidad de Planeación Minero Energética) é o unidade do MME responsável pelo planejamento do desenvolvimento dos recursos energéticos e minerais do país.

Agências licenciadoras

A ANLA (Autoridad Nacional de Licencias Ambientales) é a agência nacional de licenciamento de projetos com base em seus efeitos no meio ambiente. Deve-se obter uma licença ambiental tanto da ANLA quanto do órgão ambiental regional.[7]

Agências regulatórias

A CREG (Comisión de Regulación de Energía y Gas), criada em 1994, é responsável pela regulamentação das concessionárias de eletricidade e gás, de acordo com as leis 142 e 143.[8]

A ANH (Agencia Nacional de Hidrocarburos) é a agência nacional responsável pela administração e regulamentação dos recursos domésticos de hidrocarbonetos colombianos.[9][10],

A SSPD (La Superintendencia de Servicios Públicos Domiciliarios) supervisiona as empresas concessionárias de serviços públicos na Colômbia.

Empresas concessionárias de energia elétrica

A ISA (Interconexión Eléctrica SA) é a principal empresa de transmissão elétrica colombiana.[8] O setor de eletricidade é monitorado e administrado pelo CND (Centro Nacional de Despacho), pelo ASIC (Administrador do Sistema de Intercâmbios Comerciales) e pelo LAC (Liquidador e Administrador de Cuentas).[11]

Companhia petrolífera nacional

De propriedade estatal majoritária, a Ecopetrol é a principal empresa de petróleo da Colômbia e uma das quatro maiores empresas de petróleo e gás da América Latina, ao lado da Pemex do México, Petrobras do Brasil e PDVSA da Venezuela. O governo da Colômbia detém 88,5% das ações da Ecopetrol.[12][13][14]

Principais empresas de energia

A Drummond Ltd. é a principal empresa de carvão na Colômbia e é responsável pela criação de aproximadamente 10.000 empregos no país.[10]

As principais empresas de energia elétrica na Colômbia incluem EMGESA, Empresas Públicas de Medellín e ISAGEN.[8]

Dados de emprego do setor de energia

A Colômbia tem a segunda maior força de trabalho da América Latina no setor de energia renovável, atrás apenas do Brasil.[15] Dos cerca de 272.000 empregos no setor de energia renovável em 2019, 212.000 eram em biocombustíveis líquidos, 36.600 em hidrelétricas, 18.600 em biomassa sólida, 4.000 em energia eólica e aproximadamente 1.000 em solar fotovoltaica.[15]

Uso de eletricidade

O setor elétrico colombiano é composto pelo Sistema Interconectado Nacional (SIN) e por zonas não interconectadas.[8] O SIN inclui usinas de geração, a rede de interconexão, transmissão regional, transmissão inter-regional e os 27.916 quilômetros das redes de distribuição.[16] Os serviços de energia elétrica nas zonas não interconectadas (ZNI) são fornecidos por sistemas independentes de pequena escala.

Capacidade instalada

A energia hidrelétrica é a principal fonte de eletricidade na Colômbia, com 67,24% da capacidade instalada em 2020, seguida pelas termelétricas (31,46%). Outros contribuintes menores em 2020 incluíram a biomassa (0,85%), a energia solar (0,34%) e a energia eólica (0,1%).[1]

Produção

A Colômbia produziu 69 TWh de eletricidade em 2020, alimentado quase inteiramente por energia hidrelétrica (71,89%) e combustíveis fósseis (26,77%).[1]

O atraso de três anos na construção da usina hidrelétrica de Hidroituango gerou preocupações sobre a escassez de energia no curto prazo na Colômbia, fazendo com que a CREG estabelecesse incentivos para projetos que pudessem abastecer essa falta de energia até a abertura de Hidroituango, que deve cobrir mais de 15% das necessidades energéticas da Colômbia.[8]

Em novembro de 2021, o CREG (La Comisión de Regulación de Energía, Gas, y Combustibles) anunciou a Resolução 174 que vai agilizar a capacidade dos geradores de energia distribuída de devolver o SIN (Sistema Interconectada Nacional).[17]

Demanda

A IPSE (Instituto de Planificación y Promoción de Soluciones Energéticas) é uma afiliada do MME que se concentra em atender às demandas de eletricidade em áreas rurais mal atendidas que estão nas zonas não interconectadas da Colômbia.

Consumo

O uso de eletricidade per capita na Colômbia foi de 1.300 kWh durante 2019.[18]

Carvão na Colômbia

Produção interna nacional

A Colômbia tem a segunda maior reserva de carvão da América do Sul (logo após o Brasil), mas é a maior produtora de carvão, com sua produção concentrada principalmente nos departamentos de Cesar e La Guajira.[19][20][21] A Colômbia produz mais de 80% do carvão na América Latina[22] e abriga as três maiores minas de carvão da região: Cerrejón, El Descanso y Pribbenow.[23] O governo federal possui todas as reservas de hidrocarbonetos, enquanto as empresas privadas são responsáveis pela produção de carvão.[24] Entre 1995 e 2020, a Drummond Ltd. exportou 500 milhões de toneladas de carvão produzido na Colômbia.[10]

A produção de carvão caiu em 2020 devido à pandemia de COVID e à greve da mina Cerrejon, mas em novembro de 2021 a produção de carvão colombiana teve uma recuperação significativa.[25]

Consumo

Em 2018, cerca de 10% do fornecimento de energia da Colômbia vinha do carvão.[24] As cinco usinas de carvão em operação da Colômbia - Gecelca, Termoguajira, Termopaipa, Termotasajero y Termozipa - têm uma capacidade de geração combinada de 1,6 GW (gigawatts).[23]

Exportações

A Colômbia é um exportador de carvão importante, exportando grande parte de seu carvão.[26] Em 2019, a Colômbia ocupava o quinto lugar globalmente nas exportações de carvão[27], superada apenas pela Austrália, a Indonésia, a Rússia e os Estados Unidos; Os principais mercados para o carvão colombiano são a Holanda, a Turquia, os Estados Unidos, o Chile, a Espanha, Portugal, o Reino Unido e o Brasil.[28] O país detinha uma participação de 5,24% do mercado global de carvão em 2021.[29] O carvão térmico é a segunda maior exportação da Colômbia (depois do petróleo), mas o país é visto como vulnerável ao declínio da demanda internacional, especialmente em mercados importantes como Turquia e Europa Ocidental.[19] O MME tem seu foco no aumento das exportações para os países asiáticos nos próximos anos. China e Índia são os principais mercados previstos para o carvão colombiano, à medida que a Europa investe mais pesadamente em energias renováveis.[30]

Petróleo e gás natural na Colômbia

Produção interna nacional

A Colômbia é o 19º maior produtor de petróleo do mundo.[31] Após os impactos da COVID-19 e das divergências com a OPEP em 2020, a Colômbia está se esforçando para recuperar a queda de quase 50% nos investimentos no setor de petróleo e gás.[32] O MME espera retornar a produção colombiana aos níveis de 2019.[32] As refinarias Barrancabermeja e Reficar Cartagena perfazem quase toda a produção nacional de combustível.[20]

Fonte: EnerData[18]

Consumo

Em 2018, pouco menos de 40% do fornecimento de energia da Colômbia vinha do petróleo, com 25% adicionais oriundos do gás natural.[24]

Em dezembro de 2020, a Colômbia consumia 274,5 bpd de petróleo.[33]

Importações e países de origem

A demanda por gás natural impulsionou a Colômbia a começar as importações em 2016.[34] O declínio, tanto das reservas quanto da produção de gás natural, desencadeou um aumento nas importações de GNL dos Estados Unidos.[35]

Novas fontes e projetos propostos

Os projetos de modernização de refinarias e dutos foram a prioridade para a Colômbia no período entre 2010 e 2020.[20]

Em outubro de 2021, o governo colombiano anunciou que seis projetos de gasodutos de gás natural estavam sendo priorizados para proteger o fornecimento de combustível fóssil.[36]

Transporte

A Colômbia tem dois importantes sistemas de gasodutos de gás natural. A maior rede, atendendo grande parte do interior do país, é a Red de Gasoductos TGI, operada pela Transportadora de Gas Internacional (TGI), subsidiária do Grupo Energía de Bogotá.[20] Outra rede operada pela Promigas atende a costa caribenha.

A Cenit, subsidiária da Ecopetrol, controla 80% da infraestrutura dos oleodutos de petróleo bruto na Colômbia (6.300 milhas) e quase todos os oleodutos de produtos refinados.[20] Suas principais instalações incluem os oleodutos Ocensa, Llanos Orientales, Colombia, Caño Limón-Coveñas e Bicentenario.

Os oleodutos foram visados por grupos guerrilheiros na Colômbia durante 2021, que afetaram negativamente a produção e o meio ambiente; entre janeiro-setembro de 2021, houve 28 ataques registrados à infraestrutura de petróleo (incluindo oleodutos).[37]

Energia renovável na Colômbia

O apoio à política federal e o atendimento à demanda crescente dos consumidores por energias renováveis na Colômbia contribuirão para uma tendência positiva de crescimento entre 2020 e 2025.[38]

A organização IRENA, em seu relatório de estatísticas de agosto de 2021, informou que a capacidade total de energia renovável da Colômbia em 2020 foi de 13.552 MW, 93% oriundos da energia hidrelétrica.[39] Devido à forte dependência da Colômbia quanto à hidroeletricidade (69% da energia renovável), o país é muito vulnerável a cenários hidrológicos como o El Niño, o que faz necessário o uso de energia térmica como reserva. Consequentemente, as emissões de gases de efeito estufa são especialmente altas durante a passagem do El Niño.[40]

A energia eólica deve crescer consideravelmente até 2025.[38] La Guajira está cotada para atrair investimentos eólicos devido aos ventos de classe sete, enquanto Orinoco e San Andrés são atrativos para o desenvolvimento solar.[41] As usinas de cogeração de biomassa também podem representar uma forte presença na Colômbia devido aos resíduos florestais e agrícolas.[41]

Ferro e aço na Colômbia

O setor siderúrgico é supervisionado pela Comité Colombiano de Productores de Acero, integrante da ANDI (La Asociación Nacional de Empresarios de Colombia). As exportações de ferroníquel da Colômbia começaram em 1985, após a extração na jazida de minério Cerro Matoso.[42] Em 2018, o valor bruto da produção da indústria siderúrgica foi de 7,76 trilhões de pesos colombianos.[43] As exportações de ferro e aço colombianos caíram 17,1% durante 2020.[44] Os produtores de aço colombianos se concentram em aços longos (80% são vergalhões) e esperam um crescimento devido a projetos de infraestrutura.[45] As cinco principais empresas produtoras de aço da Colômbia são: Acerías Paz del Río (brasileira), Gerdau Diaco (brasileira), Sidenal, Sidoc e Ternium Colombia.

Impactos ambientais e sociais da energia na Colômbia

Os ecossistemas e a biodiversidade da Colômbia estão ameaçados de forma pelas atividades extrativas relacionadas à energia.[46] A reinjeção da água de produção oriunda da indústria de petróleo e gás gerou atividade sísmica na Colômbia.[47] As zonas úmidas da Colômbia estão, particularmente, sob um risco alto de poluição relacionada à energia.[48]

A poluição da água pelas operações de petróleo e gás impacta negativamente as comunidades indígenas.[47] As comunidades ameaçadas pelos efeitos da energia no meio ambiente são pobres, carecem de serviços de saúde adequados e lutam para que suas vozes sejam ouvidas no âmbito da política nacional.[46] Ativistas trabalhistas, sociais e ambientais na Colômbia foram reprimidos ou desapareceram pelas grandes empresas.[47] Mais de 2.000 ativistas ambientais indígenas foram mortos ou feridos desde 2016 por se manifestarem quanto à extração mineral e aos perigos do fracking (fraturamento hidráulico).[49] Mais da metade de todas as mortes de ativistas no mundo em 2020 ocorreu na Colômbia.[50] Ativistas colombianos continuam defendendo o meio ambiente e pressionando por projetos de lei que proíbam a prospecção e exploração de novos reservatórios.[51]

A falta de responsabilização no setor de energia colombiano gera resultados problemáticos.[52] A natureza gasosa dos depósitos de carvão colombianos contribuiu para vários acidentes de trabalho e mortes.[22] Ventilação deficiente, treinamento do trabalhador e regulamentação inadequada tornam provável que os acidentes relacionados ao metano continuem.[22]

Referências

  1. 1.0 1.1 1.2 1.3 1.4 "Panorama Energético de América Latina y el Caribe 2021". OLADE. November 2021.
  2. "Panorama energético de América Latina y el Caribe 2020". OLADE. November 2020.
  3. 3.0 3.1 Djunisic, Sladjana (September 6, 2019). "Colombia to Beef Up Coal Along with Renewables by 2030". Renewables Now. Retrieved April 15, 2021.
  4. "Colombia grants first ever permit for large wind farm – Insights – Philippi Prietocarrioza Ferrero DU & Uría". Philippi Prietocarrioza Ferrero DU & Uría. Retrieved 2021-04-14.
  5. "Colombia pledges to reduce its GHG emissions by 51% by 2030". Retrieved 2021-04-15.
  6. 6.0 6.1 "Colombia Shows Leadership in the Race Against Climate Change". World Resources Institute. Retrieved 2021-04-15.
  7. "Manual of Environmental Licensing in Colombia" (PDF). ProColombia. Retrieved April 14, 2021.
  8. 8.0 8.1 8.2 8.3 8.4 "The Energy Regulation and Market Review, 8th Edition" (PDF). Law Business Research LTD. July 2019. Retrieved April 14, 2021.
  9. "Historia". ANH. Retrieved 2021-05-24.
  10. 10.0 10.1 10.2 "500 million tons of coal exported, a new record for Drummond - Drummond LTD". Drummond LTD. 2020-12-18. Retrieved 2021-04-15.
  11. "Qué hacemos". www.xm.com.co (in español). Retrieved 2021-04-15.
  12. "Colombia Enters Talks With Ecopetrol for Sale of Power Giant ISA". Bloomberg.com. February 6, 2021.
  13. "Composición accionaria". Ecopetrol. Retrieved May 24, 2021.
  14. "The Past, Present, and Prospects for Colombia's Chemicals Industry". www.aiche.org. Retrieved 2021-04-15.
  15. 15.0 15.1 "Renewable energy employment by industry in Colombia – Statista". Statista. Retrieved 2021-04-14.
  16. "Líneas de trasmisión por agentes operadores". paratec.xm.com.co.
  17. Bellini, Emiliano (November 29, 2021). "Colombia agiliza las reglas para la generación distribuida". PV Magaszine. Retrieved November 30, 2021.
  18. 18.0 18.1 "Colombia Energy Information – Enerdata". www.enerdata.net. Retrieved 2021-04-15.
  19. 19.0 19.1 "Thermal Coal in Colombia: Perspectives and Risks for the Economies of La Guajira and Cesar Departments". Natural Resource Governance Institute. April 7, 2021.
  20. 20.0 20.1 20.2 20.3 20.4 "Background Reference: Colombia". EIA. January 7, 2019. Retrieved April 15, 2021.
  21. "Los extranjeros dueños del carbón de suelo colombiano". Las 2 Orillas. September 15, 2020.
  22. 22.0 22.1 22.2 "Addressing safety and environmental risks of methane from Colombia's coal mines – UNECE". unece.org. Retrieved 2021-04-15.
  23. 23.0 23.1 "Mapa de Carvão e Aço". Portal Energético para a América Latina. Retrieved 2022-03-07.
  24. 24.0 24.1 24.2 "Colombia - Countries & Regions - IEA". IEA. Retrieved 2021-04-14.
  25. Griffin, Oliver (November 18, 2021). "Colombia sees coal output recovering 20% in 2021 - minister". Retrieved November 30, 2021.
  26. iContainers (2020-01-31). "What Are Colombia's Main Imports and Exports? – iContainers". iContainers. Retrieved 2021-04-15.
  27. "Producción colombiana de carbón probablemente se mantendrá estable en 2019, dicen compañías". Reuters. February 13, 2019.
  28. "Atlas del Carbón 2020 (p 44)" (PDF). Heinrich Böll Stiftung/Friends of the Earth/Fundación Terram. 2020.
  29. "Colombia's Economy: Why Do Their Imports Outweigh Exports? [Latest Trade Stats] - Commodity.com". Commodity.com. Retrieved 2021-04-15.
  30. "As Glencore Walks, Colombia Envisages Decades of Coal Mining". Bloomberg. March 11, 2021. Retrieved April 15, 2021.
  31. "The Past, Present, and Prospects for Colombia's Chemicals Industry". www.aiche.org. Retrieved 2021-04-15.
  32. 32.0 32.1 "The strength of Colombia's oil production recovery hangs in the balance". Global Americans. February 22, 2021.
  33. "Colombia Oil Consumption". CEIC Data. January 2021. Retrieved December 6, 2021.
  34. "Can Colombia Overcome Its Natural Gas Crisis? – OilPrice.com". OilPrice.com. Retrieved 2021-04-19.
  35. "Colombia expected to sharply increase LNG imports if domestic production does not grow – S&P Global Platts". www.spglobal.com. Retrieved 2021-04-19.
  36. "BNamericas - Colombia readies 6 priority pipeline projects". BNamericas.com. Retrieved 2021-12-06.
  37. "Colombia ELN guerrillas claim responsibility for attacks on oil infrastructure". Reuters. 2021-10-15. Retrieved 2021-12-06.
  38. 38.0 38.1 "Colombia Renewable Energy Market - Growth, Trends, COVID-19 Impact, and Forecasts (2021 - 2026)". www.mordorintelligence.com. Retrieved 2021-04-19.
  39. "Renewable energy statistics 2021". IRENA. August 2021.
  40. "Solar and Wind Energy Will Transform the Colombia Energy Matrix - Energía para el Futuro". Energía para el Futuro. 2019-10-31. Retrieved 2021-04-19.
  41. 41.0 41.1 "Renewable energy in Latin America: Colombia". Retrieved 2021-04-19.
  42. "Colombia - Mining and quarrying". Encyclopedia Britannica. Retrieved 2021-04-15.
  43. "Primary steel & iron industry production Colombia – Statista". Statista. Retrieved 2021-04-15.
  44. "Colombian iron and steel export volume down 17.1 percent in 2020". www.steelorbis.com. Retrieved 2021-04-15.
  45. "Colombia's exposure to international markets drives improved productivity and cost cuts". Oxford Business Group. 2017-06-22. Retrieved 2021-04-15.
  46. 46.0 46.1 "Environmental Performance Review: Colombia" (PDF). OECD. 2014. Retrieved April 15, 2021.
  47. 47.0 47.1 47.2 "Oil Extraction in Colombia: Report Reveals the Human and Environmental Costs of Black Gold". International Federation for Human Rights (in français). Retrieved 2021-04-15.
  48. "In a Colombian wetland, oil woes deepen with the arrival of fracking". Mongabay Environmental News. 2020-04-15. Retrieved 2021-04-15.
  49. "Facing an Economic Crisis, Colombia Turns to Fracking". Sierra Club. 2020-12-15. Retrieved 2021-04-15.
  50. "Over half of global environmental defender murders in 2020 in Colombia: report". Mongabay Environmental News. 2021-03-02. Retrieved 2021-04-15.
  51. "The Wave Against Fracking in Colombia – Insights – Holland & Knight". www.hklaw.com. Retrieved 2021-04-19.
  52. "Colombia: 'The impacts of mining are going to cost us' says Robert Moran - Gaia Foundation". Gaia Foundation. 2013-02-26. Retrieved 2021-04-19.