Perfil energético – Chile

Fonte: Global Energy Monitor

[English][español]

Esta página faz parte do Portal Energético para a América Latina de Global Energy Monitor.
Páginas relacionadas:

Matriz de combustível (combustíveis fósseis versus renováveis)

O Chile obtém cerca de dois terços de sua energia de combustíveis fósseis. O petróleo, o carvão e o gás natural desempenham papéis fundamentais; os biocombustíveis, juntamente com quantidades menores de energia hídrica, eólica e solar, respondem pelo restante.[1][2]

Em 2020, os combustíveis fósseis forneceram cerca de metade da capacidade elétrica instalada e geração de energia do Chile. As principais fontes adicionais de geração elétrica foram a energia hidrelétrica (26,5%), a solar (9,8%), a eólica (7,1%) e outras energias renováveis, incluindo biomassa e energia geotérmica (aproximadamente 5%).[1][3]

Metas de emissões de gases de efeito estufa

Em 2018, as emissões per capita de CO2 do Chile geradas pela queima de combustível (4,6 toneladas anuais) estavam entre as mais altas da América Latina e do Caribe, embora ainda sejam relativamente pequenas para os padrões globais.[4] A meta do Chile da Contribuição Nacionalmente Determinada para 2030 é uma redução de 30% nas emissões de GEE.[5][6]

Agências governamentais de energia e outros players principais

Agências nacionais de energia

O Ministério de Energia é o ministério do governo responsável pela política energética.

Agências licenciadoras

A SMA (Superintendência do Meio Ambiente) é a autoridade ambiental chilena responsável pela concessão de licenças para novos projetos de geração de energia.

Agências regulatórias

A empresa estatal CNE (Comissão Nacional de Energia) é a agência encarregada de regulamentar a produção, geração, transporte e distribuição de energia no Chile.

A Superintendência de Eletricidade e Combustíveis é o órgão regulador governamental do setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis do Chile.

Empresas concessionárias de energia elétrica

A empresa estatal CNE (Comissão Nacional de Energia) é a maior concessionária de energia elétrica do Chile.

Companhia petrolífera nacional

A ENAP (Empresa Nacional del Petróleo) é a empresa petrolífera nacional do Chile, responsável pela exploração e produção de hidrocarbonetos e energia geotérmica.

Principais empresas de energia

Entre as principais empresas privadas de energia que operam no Chile estão Enel, Colbún, Engie e AES Gener.

Uso de eletricidade

Capacidade instalada

Em 2020, o Chile tinha aproximadamente 26,3 GW de capacidade instalada[1] (acima de 24,4 GW em 2019).[3]

Produção

O Chile produziu cerca de 78 TWh de eletricidade em 2020, um pouco mais do que em 2019.[1][3]

Consumo

O Chile ocupou o 38° lugar no mundo em consumo de energia elétrica em 2018 (76 TWh).[7]

Carvão no Chile

Produção interna nacional

O Chile não é um produtor principal de carvão. A maior parte da produção nacional vem da região sul de Magalhães, com 2,3 milhões de tpa Invierno Mine.[8]

Consumo

O Chile foi o terceiro maior consumidor de carvão da América Latina em 2019, depois do Brasil e do México. Em 2019, o consumo foi de 13,4 milhões de toneladas.[9]

O consumo de carvão deve diminuir como resultado do plano nacional de descarbonização do Chile, que prevê o desligamento de todas as usinas movidas a carvão do país até 2040. Na época em que o plano foi anunciado em 2019, aproximadamente 40% da eletricidade do Chile foi fornecida por 28 unidades operacionais movidas a carvão, que tinham uma capacidade combinada de 5.541 megawatts (MW), principalmente abastecidas por carvão importado. O plano original do governo previa o desligamento de oito unidades, totalizando 1.069 MW até 2024, com o restante a ser desativado entre 2025 e 2040.[10][11] O cronograma de desligamento foi acelerado, com 18 unidades e 3.585 MW programados para desativação até 2025.[12][13] A Enel tem já aposentou suas unidades Patache (Tarapaca)[14] e Bocamina 1, e desativará sua única unidade de carvão remanescente, Bocamina 2, em 2022.[15] A Engie aposentou suas unidades de Tocopilla 12 e 13 em 2019[16], e fechará as unidades 14 e 15 em 2022, seguido em 2024 pelas unidades Mejillones 1 e 2.[17] Em 2025, a Engie converterá suas unidades Mejillones IEM e Andina-Hornitos para funcionar com gás e biomassa, respectivamente.[12][13] A AES se comprometeu a fechar suas unidades Angamos 1 e 2 e as unidades Ventanas 2, 3 e 4 até 2025. Dez outras unidades movidas a carvão com capacidade de geração total de 1956 MW estão programadas para desligamento entre 2026 e 2040, incluindo as usinas Norgener (Nueva Tocopilla) e Cochrane da AES, a usina Santa María da Colbún, e a usina Guacolda da Capital Investments.

O Chile é membro fundador do No New Coal Power Compact, lançado em setembro de 2021 por uma coalizão de sete governos que concordaram em encerrar a concessão de novas usinas a carvão e encerrar a construção de novas usinas a carvão.[18] O Chile também é signatário da Declaração de Transição do Carvão Global para Energia Limpa, anunciada na conferência COP 26 em Glasgow em novembro de 2021.[19]

Importações e países de origem

O Chile é historicamente o maior importador de carvão da América Latina, com mais da metade das importações provenientes da Colômbia.[20] As importações em 2019 foram de 10,4 milhões de toneladas.[9]

Petróleo e gás natural no Chile

Produção interna nacional

O Chile possui grandes reservas não desenvolvidas de gás de xisto.[21] Mas o país não é um produtor importante de combustíveis fósseis e precisa importar a maior parte de seu petróleo e gás natural. O Chile produziu apenas 22.000 barris/dia de derivados de petróleo em 2020 e 1,2 bilhão de metros cúbicos de gás natural em 2018.[7]

Consumo

Em 2018, o Chile consumiu 363.000 barris/dia de derivados de petróleo e 5,4 bilhões de metros cúbicos de gás natural.[7]

Importações e países de origem

Em 2019, o Chile importou pouco mais de 2 bilhões de toneladas de gás natural e quase 11 bilhões de toneladas de petróleo.[21] A importação de gás natural pelo Chile se dá através de gasodutos da Argentina e por mar de vários outros países, incluindo Trinidade e Tobago, Argélia, Catar, Guiné Equatorial, Estados Unidos e México.[22] Os dois principais terminais de importação de GNL do país são Quintero LNG Terminal e Mejillones LNG Terminal.[21]

Transporte

Quatro gasodutos internacionais (Atacama Pipeline, Nor Andino Pipeline, GasAndes Pipeline e Gasoducto del Pacífico) cruzam os Andes entre o Chile e a Argentina, permitindo que o Chile importe gás natural do país vizinho. Entretanto, os fornecimentos são intermitentes e a capacidade de exportação da Argentina foi totalmente encerrada por mais de uma década, antes que o fluxo fosse retomado em 2018.[23][24][25]

Energia renovável no Chile

O Chile anunciou, em 2019, sua intenção de atingir a neutralidade de carbono até 2050. Entre 2014 e 2020, o país aumentou o componente de energias renováveis de sua matriz energética de 3% para 25%[26], com a energia solar e eólica se combinando para representar 23% da geração de eletricidade no final de 2020[27] e 23,5% no primeiro semestre de 2021.[28] Empresas como a Enel e a Engie mudaram seus investimentos chilenos de energia a carvão para fontes alternativas, como solar e eólica.[29][30] O Chile recebe alguns dos níveis mais altos de radiação solar do planeta, sendo um dos principais candidatos para o desenvolvimento de energia fotovoltaica[26], e a região de Magallanes, no sul do Chile, está sendo apontada como um local privilegiado para projetos de hidrogênio verde movidos a energia eólica.[31] O Chile é um dos principais produtores mundiais de lítio, um elemento essencial em baterias de veículos elétricos. Em 2019, o país detinha cerca de 55,5% das reservas globais de lítio.[32]

Ferro e aço no Chile

Desde de 1950, a CAP Acero steel plant chilena é uma das maiores e mais antigas siderúrgicas da América do Sul. Sua tecnologia blast furnace/basic oxygen furnace é antiga e mais intensiva em energia. A usina usa minério de ferro das minas no norte do Chile, que se concentram nas regiões de Atacama, Antofagasta e Coquimbo, no norte do país.[33][34]

Impactos ambientais e sociais da energia no Chile

Grupos comunitários no Chile há muito se opõem ao carvão por questões de saúde, segurança e meio ambiente. Os residentes das chamadas “zonas de sacrifício” chilenas (as cinco comunidades de Mejillones, Tocopilla, Ventanas, Coronel e Huasco), onde as usinas termelétricas a carvão e outras indústrias poluentes estão fortemente concentradas, estão vulneráveis a vários fatores de saúde e impactos na segurança, incluindo risco aumentado de doenças respiratórias e câncer.[35][36][37][38][39][40] O desenvolvimento das enormes reservas de lítio do Chile já está causando impactos negativos nos ecossistemas frágeis do deserto do Atacama e nas comunidades indígenas do norte do Chile, incluindo esgotamento severo nos recursos hídricos locais.[41][42]

Referências

  1. 1.0 1.1 1.2 1.3 "Panorama Energético de América Latina y el Caribe 2021". OLADE. November 2021.
  2. "IEA Policies and Measures Database © OECD/IEA". IEA. Retrieved 2021-04-10.
  3. 3.0 3.1 3.2 "Panorama energético de América Latina y el Caribe 2020 (p 98)". OLADE. November 2020.
  4. "IEA Energy Atlas". International Energy Agency. Retrieved 2021-06-20.
  5. "Contribución Nacional Tentativa de Chile (INDC) para el Acuerdo Climátiico París 2015" (PDF). Gobierno de Chile. September 2015.
  6. "Contribución Determinada a Nivel Nacional (NDC) de Chile - Actualización 2020" (PDF). Gobierno de Chile. March 17, 2020.
  7. 7.0 7.1 7.2 "International - Chile". U.S. Energy Information Administration (EIA). Retrieved 2021-06-14.
  8. "Coal mining in Chile". Wikipedia. Retrieved 2021-06-15.
  9. 9.0 9.1 "Chile". U.S. Energy Information Administration (EIA). Retrieved 2021-06-19.
  10. "Chile to close eight coal-fired stations by 2024". Institute for Energy Economics & Financial Analysis. June 7, 2019.
  11. "Plan de Descarbonización y Retiro de Centrales Eléctricas a Carbón en Chile" (PDF). Chile Sustentable. June 4, 2019.
  12. 12.0 12.1 "Gobierno anuncia el retiro del 50% de las centrales a carbón al 2025". Ministerio del Medio Ambiente. April 28, 2021.
  13. 13.0 13.1 "Chile speeds up plans to close coal plants, to retire half its fleet by 2025". S&P Global Platts. April 28, 2021.
  14. "Hoy se concreta cierre definitivo de la central termoeléctrica Tarapacá | Gobierno Regional de Tarapacá". Gobierno Regional Tarapacá. December 31, 2019.
  15. "Falta un año para el cierre definitivo del complejo Bocamina". Diario Concepción. April 18, 2021.
  16. "ENGIE Energía Chile retira primeras dos centrales a carbón en Tocopilla". Engie. June 7, 2019.
  17. "Retiro del carbón se reactivará en enero de 2022 con salida de dos unidades de Central Tocopilla". Electricidad. December 31, 2020.
  18. "Countries commit to No New Coal, invite others to join them in fight against climate change". Sustainable Energy for All. September 24, 2021.
  19. "Global Coal to Clean Power Transition Statement". UN Climate Change Conference (COP26) at the SEC – Glasgow 2021. November 4, 2021.
  20. "(PDF) Perspectivas sobre las exportaciones de carbon Colombiano - en el mercado internacional de carbón térmico hasta 2030". Research Group CoalExit (via ResearchGate). August 2016.
  21. 21.0 21.1 21.2 "Oil and gas regulation in Chile: overview". Thomson Reuters Practical Law. Retrieved 2021-06-15.
  22. "¿Cómo llega el Gas Natural Licuado al Terminal de GNL Quintero?". GNL Quintero (in español). Retrieved 2021-06-15.
  23. "Chile vuelve a importar gas natural desde Argentina una década después". Agencia Efe. October 30, 2018.
  24. "Argentina authorizes new gas exports to Chile". Reuters. March 20, 2019.
  25. "Argentina's Vaca Muerta, LNG Ambitions Face Uncertainty as New Government Settles In - Natural Gas Intelligence". Natural Gas Intelligence. February 28, 2020.
  26. 26.0 26.1 "¿Pueden las renovables llevar a una recuperación verde de América Latina?". Dialogo Chino. October 2, 2020.
  27. "Energía renovable en Chile: 2021 rompería récords de adiciones". BNamericas. April 6, 2021.
  28. "Participación ERNC en matriz eléctrica alcanzó al 23,5% en primer semestre de 2021". Acera. July 21, 2021.
  29. "Engie prepara el cierre de dos nuevas unidades a carbón y proyecta invertir US$ 1.000 millones en renovables". Fundación Terram. April 16, 2018.
  30. "Enel Generación solicita autorización para adelantar retiro de Bocamina, su última central a carbón". Enel Generación Chile. May 27, 2020.
  31. "El más grande de Chile: Ministro Jobet anuncia nuevo proyecto de hidrógeno verde en Magallanes". Ministerio de Energía. December 2, 2021.
  32. "2020 Statistical Review of World Energy" (PDF). BP. June 2020.
  33. "Steel Dashboard". Global Energy Monitor. Retrieved 2021-04-12.
  34. "USGS Minerals Yearbook (p 7.13)" (PDF). US Geological Survey. 2015.
  35. "Las cinco Zonas de Sacrificio de Chile". Fundación Terram. June 2019.
  36. "Atlas del Carbón, Edición Latinoamericana 2020 (pp 42-43)" (PDF). Fundación Terram / Heinrich Böll Stiftung Cono Sur / Friends of the Earth Internacional. December 11, 2020.
  37. "Estudio UC: habitantes de zonas con termoeléctricas se enferman 4 veces más - La Tercera". La Tercera. August 26, 2019.
  38. "La ironía de Mejillones y Tocopilla: zona alberga a nueva termoeléctrica en región con la mayor tasa de cáncer al pulmón del país". El Mostrador. August 29, 2019.
  39. "La compleja transición energética de las "zonas de sacrificio" de Chile". Diálogo Chino. April 15, 2021.
  40. "In Chile's polluted 'sacrifice zones,' residents seek respite in new constitution". Reuters. December 22, 2020.
  41. "Chile: Experta alerta sobre riesgos de agotamiento del agua por extracción de litio en salar de Atacama en nuevo proyecto de Wealth Minerals". Centro de Información sobre Empresas y Derechos Humanos. June 4, 2019.
  42. "Chile: Explotación de litio deja sin agua a pobladores". Deutsche Welle (www.dw.com). January 27, 2020.