Perfil energético – Brasil

Fonte: Global Energy Monitor

[English][español]

Esta página faz parte do Portal Energético para a América Latina de Global Energy Monitor.
Páginas relacionadas:

Matriz energética

Em 2020, o Brasil obteve cerca de um terço de seu fornecimento total de energia do petróleo e outro terço de biocombustíveis.[1][2][3] Outros contribuintes para a matriz energética nacional incluem gás natural (13%), energia hidrelétrica (12%), carvão (5%) e nuclear (1%), junto com quantidades pequenas, mas crescentes, de energia eólica e solar.[1][2][3]

Em 2020, a energia hidrelétrica era responsável por quase dois terços da geração elétrica e da capacidade instalada do país, com os combustíveis fósseis contribuindo com cerca de 15%, a eólica e a biomassa com 9% cada e a energia solar compondo o restante. Esses percentuais ficaram praticamente inalterados em relação a 2019.[1][2] Até 2025, a operadora da rede nacional projeta que o percentual de eletricidade gerada pela energia hidrelétrica no Brasil cairá ligeiramente para 58,1%, enquanto a energia eólica (14,1%), solar (4,3%) e de gás (9,9%) se tornarão mais importantes na matriz elétrica nacional.[4]

Metas de emissões de gases de efeito estufa

Em dados de 2020, o Brasil foi o sexto maior emissor mundial de gases de efeito estufa.[5] As emissões de CO2 causadas pelo desmatamento da Amazônia aumentaram quase 10% em 2019 sob as políticas ambientais do presidente brasileiro Jair Bolsonaro[6] e, de acordo com dados de 2020, mais de 25.000 quilômetros de floresta tropical brasileira foram destruídos durante os primeiros dois anos do mandato de Bolsonaro.[7] As metas da NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada) do Brasil para 2025 e 2030 exigem reduções nas emissões de GEE de 37% e 43%, respectivamente, em comparação aos níveis de 2005. Entretanto, essas metas estão inalteradas desde 2015.[8][9] O compromisso contínuo do Brasil com a energia a carvão (reafirmado pelo governo em agosto de 2021) [10][11] e a crescente dependência dos brasileiros de derivados de petróleo no setor de transporte representam desafios para o cumprimento dessas metas.[4]

Agências governamentais de energia e outros players principais

Agências nacionais de energia

O MME (Ministério de Minas e Energia) é o ministério do governo brasileiro responsável pela política energética.

A EPE (Empresa de Pesquisa Energética) é a agência de pesquisa de energia do Brasil que fornece apoio em relação a política energética e planejamento para o MME nos setores de petróleo, gás natural, biocombustíveis e eletricidade. A EPE publica relatórios regulares, incluindo o Plano Decenal de Expansão de Energia, com uma perspectiva de 10 anos sobre os planos de expansão de energia do Brasil.[12]

Agências licenciadoras

O IBAMA é a agência brasileira reguladora do meio ambiente, responsável pela concessão de licenças para novos projetos de geração de energia.

Agências regulatórias

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) é o órgão regulamentador governamental para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis do Brasil.

A ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) é a autoridade reguladora nacional de eletricidade do Brasil, gerenciando a geração, transmissão e distribuição de eletricidade em todo o país. A ANEEL, em conjunto com o MME, supervisiona os leilões anuais de energia do Brasil, nos quais as empresas licitam para fornecer capacidade de geração à rede nacional.

Empresas concessionárias de energia elétrica

A empresa estatal Eletrobrás é a maior concessionária de energia elétrica do Brasil.

Companhia petrolífera nacional

A Petrobras, uma empresa majoritariamente estatal, é a maior e mais lucrativa produtora de petróleo da América Latina[13][14]e é líder em exploração e produção em águas profundas.[15] A Petrobras está envolvida na exploração, produção e distribuição de petróleo e gás e opera refinarias, usinas de energia e terminais de GNL em todo o país.

Principais empresas de energia

Eneva, EDP, Enel, Engie e New Fortress Energy estão entre as maiores empresas privadas de energia que operam no Brasil.

Uso de eletricidade

Capacidade instalada

O setor elétrico brasileiro é um dos maiores do mundo, ocupando a oitava posição internacionalmente[16] e a terceira entre os países ocidentais, atrás dos Estados Unidos e do Canadá.[17] Em 2020, a capacidade instalada total do Brasil foi de 179,5 GW, acima dos 172,3 GW em 2019. A energia hidrelétrica representou 60,88% da capacidade instalada, seguida por fontes térmicas não renováveis ​​(15,47%), a energia eólica ( 9,55%), fontes térmicas renováveis ​​(8,57%), a energia solar (4,42%) e energia nuclear (1,11%).[1][2]

Geração de energia elétrica no Brasil, por fonte: 2019[18]

Produção

O Brasil produziu 621,2 TWh de eletricidade em 2020, ligeiramente abaixo dos 626,3 TWh produzidos em 2019. A energia hidrelétrica é a principal fonte de geração há muito tempo. Isso representou aproximadamente dois terços da produção do país (63,80%) em 2020. Outras fontes de eletricidade incluem combustíveis fósseis (13,57%, liderados pelo gás natural), biocombustíveis (9,46%), eólica (9,18%), nuclear (2,26% ) e solar fotovoltaica (1,73%). As energias eólica e solar experimentaram um crescimento particularmente significativo na última década.[1][2][3]

Consumo

O Brasil consumiu 529 TWh de eletricidade em 2018, o que o colocou no 9º lugar mundial.[19]

Carvão no Brasil

Produção interna nacional

O Brasil possui as maiores reservas comprovadas de carvão da América Latina, estimadas em 6,6 bilhões de toneladas em 2019. Mas está na terceira posição como produtor regional, muito atrás da Colômbia e do México.[20] O desenvolvimento do carvão está fortemente concentrado na região sul do Brasil, que detém 99,97% das reservas nacionais.[21] O estado do Rio Grande do Sul abriga todas as minas de carvão importantes do Brasil, junto com 88% das reservas nacionais de carvão e a maioria das usinas elétricas a carvão, em operação e propostas.[22]

Consumo

O Brasil consumiu 5,96 milhões de toneladas curtas de carvão em 2019, ocupando a 27ª posição global.[23]

Importações e exportações

A maior usina a carvão do Brasil, a Porto do Pecém com 1.085 MW, é abastecida com carvão importado da Colômbia.[24] O Brasil exporta apenas pequenas quantidades de carvão (1.300 toneladas curtas em 2019).[23]

Novas fontes e projetos propostos

Guaíba Mine é um projeto proposto no Brasil que busca aprovação ambiental desde 2014, e seria a maior operação de mina de carvão a céu aberto da América Latina, com potencial para produzir mais de 6 milhões de toneladas por ano. No entanto, a mina enfrenta desafios jurídicos contínuos e oposição feroz de cidadãos preocupados e de grupos ambientais.[22][25]

Enquanto o banco de desenvolvimento brasileiro BNDES descontinuou financiamento para projetos de carvão em favor de energias renováveis e projetos movidos a gás[11], o governo federal brasileiro prevê investimentos de R $ 20 bilhões no carvão entre 2021 e 2031.[4][10][21]

Petróleo e gás natural no Brasil

Produção interna nacional

Em 2020, o Brasil foi o maior produtor de petróleo e outros derivados líquidos da América Latina e ocupou a 7ª posição mundial, com uma produção nacional de 3,79 milhões de barris/dia.[23] O Brasil ocupou, em 2019, o oitavo lugar mundial na produção de petróleo bruto, o nono na produção de derivados de petróleo e o 22º na produção de gás natural.[16] O desenvolvimento recente se concentrou na camada do pré-sal (na costa sudeste do Brasil), que responde por mais da metade das reservas de petróleo e gás natural do país.[26]

Consumo

O Brasil foi o maior consumidor de petróleo e outros derivados líquidos da América Latina em 2018, consumindo mais de 3 milhões de barris/dia.[27] Os brasileiros consumiram 35,8 bilhões de metros cúbicos de gás natural em 2019, terceiro lugar na América Latina, atrás do México e da Argentina.[28]

Importações, exportações e países de origem

O Brasil é o terceiro maior exportador de petróleo bruto da América Latina (depois da Venezuela e do México), ocupando o 15º lugar global em 2018, com embarques totalizando 832.000 barris/dia.[23] O Brasil complementa sua própria produção de gás natural com um volume menor de envios internacionais de GNL da Ásia e importações da Bolívia via gasoduto. As importações via gasoduto diminuíram após o vencimento do contrato de 20 anos do Brasil para a compra de gás boliviano no final de 2019, e a demanda por gás importado diminuiu à medida que o Brasil desenvolve seus próprios campos de gás, grandes, na camada do pré-sal.[29][30][31]

Novos projetos propostos

A demanda crescente por gás natural, associada à lei do gás de 2021 (que abriu o mercado à concorrência)[32][33], gerou propostas para vários novos projetos de gás para energia e para terminais de GNL na costa atlântica do Brasil. Entre os projetos já licenciados e em desenvolvimento estão incluídos o Terminal de GNL da Cosan, o Terminal Gás Sul, o Terminal de GNL Tepor Macaé, o Terminal de GNL do Porto do Açu e o Terminal de GNL Celba.[34]

Transporte

O Brasil importa gás natural da Bolívia através do Gasoduto Gasbol, com 3150 km, e do Gasoduto Bolivia-Mato Grosso, com 645 km. O outro grande sistema de gasodutos do país, operado pela TAG, percorre a costa leste do estado do Rio de Janeiro até o Ceará. A peça central desta rede são os 1.387 km do Gasoduto Gasene da TAG. O Brasil tem três terminais de importação de GNL estabelecidos há bastante tempo na Baia de Guanabara, na Bahia e no Porto do Pecém, e um mais novo inaugurado em 2020, no estado nordestino de Sergipe.

Energia renovável no Brasil

A energia hidrelétrica domina o setor de energias renováveis do Brasil, liderado pela usina hidrelétrica de Itaipu, com 14 GW, no rio Paraná entre o Brasil e o Paraguai, responsável pelo fornecimento de quase 11% da eletricidade do Brasil.[35]

A energia eólica está crescendo continuamente em importância, e já se tornou a segunda maior fonte de energia renovável do Brasil[36], com os maiores parques eólicos concentrados nos estados do Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará e Piauí.[37][38][39] De acordo com relatórios recentes, o Nordeste abriga 82% dos parques eólicos do Brasil[36], o que representa 96% da capacidade eólica instalada do país e 85% da geração eólica nacional.[40] Em 2021, o Brasil ocupava a 7ª posição mundial em geração de energia eólica, com cerca de 19 GW de capacidade instalada.[41] A energia eólica é o segmento de crescimento mais rápido do mercado de eletricidade do Brasil, respondendo por 83% da nova capacidade de geração adicionada durante os primeiros seis meses de 2021.[42] O interesse pela energia eólica offshore está aumentando dramaticamente; em junho de 2021, as empresas buscavam licenças para 42 GW de novos projetos eólicos offshore.[43]

A energia solar também está em alta, liderada por estados do Sul e Sudeste do Brasil[44]. Em 2020, a capacidade fotovoltaica instalada cresceu para 5,6 GW, superando a capacidade combinada de carvão e energia nuclear.[45] O Brasil se tornou, em 2005, um dos primeiros países da América Latina a realizar leilões nacionais de energia com foco no comissionamento de projetos de energia renovável.[46]

Ferro e aço no Brasil

O Brasil é o maior produtor de ferro e aço da América Latina, com 46.200 ttpa de capacidade de produção de aço e 37.422 ttpa de capacidade de produção de ferro. Quase três quartos do aço brasileiro são produzidos com a tecnologia blast furnace/basic oxygen furnace, mais antiga e mais intensiva em energia.[47]

Impactos ambientais e sociais da energia no Brasil

A bacia amazônica brasileira é particularmente vulnerável aos impactos dos setores extrativistas e da infraestrutura de energia em grande escala, devido à biodiversidade incomparável da região e das interconexões profundas entre as comunidades indígenas e o meio ambiente natural. Entre os empreendimentos brasileiros que são ambientalmente mais destrutivos está a hidrelétrica de Belo Monte, de 11,2 GW, o quarto maior projeto hidrelétrico do planeta. A construção da barragem de Belo Monte deslocou mais de 20.000 pessoas e causou danos irreversíveis a espécies endêmicas, inundando mais de 260 milhas quadradas ao longo do rio Xingu em 2015. Os planos do Brasil para outros megaprojetos de hidrelétricas na Amazônia foram reduzidos em 2018, mas outras ameaças, principalmente o desmatamento, se intensificaram posteriormente.[6][48][49]

Referências

  1. 1.0 1.1 1.2 1.3 1.4 "Panorama Energético de América Latina y el Caribe 2021". OLADE. November 2021.
  2. 2.0 2.1 2.2 2.3 2.4 "Panorama energético de América Latina y el Caribe 2020 (p 98)". OLADE. November 2020.
  3. 3.0 3.1 3.2 "IEA Policies and Measures Database © OECD/IEA". IEA. Retrieved 2021-04-10.
  4. 4.0 4.1 4.2 "Brasil ainda aposta no carvão na contramão de texto final da COP26". Veja. November 14, 2021.
  5. "STATEMENT: Brazil Sets Weak 2030 Emission Reduction Target". World Resources Institute. December 10, 2020.
  6. 6.0 6.1 "Brazil's carbon emissions rose in 2019 with Amazon deforestation". Al Jazeera. November 7, 2020.
  7. Jeff Goodell (June 9, 2021). "What to Do About Jair Bolsonaro, the World's Most Dangerous Climate Denier". Rolling Stone.
  8. "Intended Nationally Determined Contribution towards Achieving the Objective of the United Nations Framework Convention on Climate Change" (PDF). Federative Republic of Brazil. September 21, 2016.
  9. "Paris Agreement: Brazil's Nationally Determined Contribution (NDC)" (PDF). Government of Brazil. December 9, 2020.
  10. 10.0 10.1 "MME prevê investimento de R$ 20 bi com programa que prorroga uso de carvão". UOL Economia. August 10, 2021.
  11. 11.0 11.1 "Detalhamento do Programa Para Uso Sustentável do Carvão Mineral Nacional" (PDF). Ministério de Minas e Energia. August 2021.
  12. "Plano Decenal de Expansão de Energia". EPE (Empresa de Pesquisa Energética). Retrieved 2021-04-17.
  13. "Venezuela falls to fourth-largest oil producer in Latin America". World Oil. May 20, 2019.
  14. "Latin America's biggest national oil companies revise strategies, but Petrobras has profit advantage over PEMEX". Moody's. November 25, 2019.
  15. "Perfil: Petrobras". Petrobras. Retrieved 2021-06-21.
  16. 16.0 16.1 "World Energy Statistics – Enerdata". yearbook.enerdata.net. Retrieved 2021-03-18.
  17. "International - U.S. Energy Information Administration (EIA)". www.eia.gov. Retrieved 2021-03-18.
  18. "Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2020 (p 63)" (PDF). EPE (Empresa de Pesquisa Energética). 2020.
  19. "Brazil: 2018 primary energy data". U.S. Energy Information Administration (EIA). Retrieved 2021-06-15.
  20. "2020 Statistical Review of World Energy" (PDF). BP. June 2020.
  21. 21.0 21.1 "MME publica detalhamento do Programa para Uso Sustentável do Carvão Mineral Nacional". Ministério de Minas e Energia. August 9, 2021.
  22. 22.0 22.1 "Vereadores mobilizam contra mineração no principal reduto de carvão do Brasil – Diálogos da Transição". EPBR. May 26, 2021.
  23. 23.0 23.1 23.2 23.3 "Brazil". U.S. Energy Information Administration (EIA). Retrieved 2021-06-18.
  24. "The Power Plant". EDP Pecém. Retrieved 2021-06-19.
  25. "Coal from Guaíba, Latin America's largest open-pit mine, will stay in the ground". 350.org. Retrieved 2021-06-19.
  26. "Pre-salt – Upstream Guide – Oil and Gas – Deloitte Brazil". Deloitte. Retrieved 2021-04-12.
  27. "Brazil". U.S. Energy Information Administration (EIA). Retrieved 2021-06-18.
  28. "World natural gas consumption by country 2019". Statista. Retrieved 2021-06-21.
  29. "Centrica sends cargo to launch Brazil's first private LNG terminal". Reuters. February 25, 2020.
  30. "El gas boliviano, entre la falta de extracción y la falta de mercados". Sputnik Mundo. January 16, 2021.
  31. "A Complicated Major Gas Pipeline System on the Drawing Boards in South America". Pipeline Technology Journal. September 18, 2020.
  32. "Nova Lei do Gás é aprovada no Congresso Nacional". Ministério de Minas e Energia. March 17, 2021.
  33. "Brazil's new gas regime opens market, but development of rules still necessary". S&P Global Platts. May 24, 2021.
  34. "Terminais de GNL no Brasil (pp 24-25)" (PDF). EPE (Empresa de Pesquisa Energética). October 2020.
  35. "Geração". Itaipu Binacional. Retrieved 2021-06-21.
  36. 36.0 36.1 "Nordeste gera recorde de produção de energia eólica e tem o suficiente para abastecer toda a região". G1. October 7, 2020.
  37. "Nordeste gera 85% da energia eólica do Brasil". FIERN. August 4, 2020.
  38. "Produção de energia eólica aumenta no Brasil com falta de chuvas no Nordeste". R7. May 23, 2021.
  39. "Capacidade instalada em 2021 supera 1 gigawatt; eólicas são o destaque pelo quarto mês seguido". ANEEL. May 4, 2021.
  40. "Nordeste gera 85% da energia eólica do Brasil". FIERN. August 4, 2020.
  41. Terra, Nana (August 2, 2021). "Wind energy in Brazil breaks records and creates jobs". Airswift.
  42. "Usinas eólicas respondem por 83% do acréscimo de potência no primeiro semestre de 2021". Governo do Brasil. July 5, 2021.
  43. "Raio-X das eólicas offshore em licenciamento no Brasil". EPBR. June 17, 2021.
  44. "Energia eólica e solar: Os 5 estados brasileiros que mais produzem". Órigo Energia. Retrieved 2021-06-21.
  45. "Fonte solar ultrapassa carvão e nuclear no Brasil". CanalEnergia. June 4, 2020.
  46. "¿Pueden las renovables llevar a una recuperación verde de América Latina?". Dialogo Chino. October 2, 2020.
  47. "Steel Dashboard". Global Energy Monitor. Retrieved 2021-04-12.
  48. "How a Dam Building Boom Is Transforming the Brazilian Amazon". Yale E360. September 26, 2017. Retrieved 2021-06-21.
  49. "Mega-Dams May Be History in the Brazilian Amazon!". Amazon Watch. Retrieved 2021-06-21.